Você está visualizando atualmente Como controlar a fome emocional?

Como controlar a fome emocional?

Você está com fome nesse exato momento? Pense bem, você está com fome mesmo, ou será apenas fome emocional?

A verdade é que nem sempre que sentimos aquela urgência em comer algo significa que estamos, de fato, com fome.

Ainda mais quando a sua fome é de algo específico. Aquela comidinha diferente, normalmente aquela “proibida” que foge do seu plano alimentar.

Isso se trata de fome emocional. E é sobre ela que vamos falar neste artigo.

O que é a fome emocional

Aposto que você já teve um dia ruim e compensou seus problemas numa comida que te agrade, daquelas bem gostosas. Pois saiba que não está sozinho.

Esse é um dos exemplos de fome emocional, a necessidade de comer baseada nas emoções afloradas. Afinal você sabia que aquela comida te traria satisfação, mesmo que momentânea.

A fome emocional, como o próprio nome diz, acontece quando se come a partir de emoções, desde alegria e tristeza a ansiedade, estresse e depressão. 

Isso porque se trata de uma espécie de uma válvula de escape de alívio instantâneo, como uma tentativa de fugir dos sentimentos negativos por um atalho fácil e prazeroso. 

Qualquer emoção que você perceba que faz você ir buscar certo alimento pode ser um gatilho para a fome emocional.

Esse consumo normalmente é rápido. Por isso, nem sempre é feito de forma consciente.

O pior é que em muitos casos esses alimentos nem promovem a sensação de saciamento, também em virtude das emoções, o que leva você a comer mais do que precisa.

Como já citei anteriormente, as escolhas não são aleatórias e tendem a ser baseadas em sabor, como doces e gorduras.

Em resumo, a comida se torna consolo!

Fome física x fome emocional

Existem diferenças cruciais entre estar com fome de verdade (fome física) ou estar com fome emocional.

A primeira grande diferença entre elas é que quando você está com fome física, você não escolhe o que você quer comer. Você quer apenas comer alguma coisa para saciar a sua fome.

Outra diferença, como já citei anteriormente, é que a fome emocional nos leva a escolher por alimentos “pobres” do ponto de vista nutricional, mas que geram um prazer maior.

E, por último, quando com fome física, ao comer os alimentos você sente prazer e plenitude. Entretanto, no caso da fome emocional, ocorre a frustração. Aquele sentimento de ter feito algo que não deveria, sabe?

E é aí que mora o perigo. Isso porque a fome emocional pode se tornar um hábito e desencadear a compulsão alimentar. 

Leia também: 5 alimentos que prejudicam o seu organismo

Como controlar a fome emocional

Antes de mais nada, identifique os gatilhos. Observar o que te leva a essa compulsão e buscar resolver esses problemas.

Outra forma de controlar a fome emocional é praticando o mindful eating. Isso porque o conceito é baseado na prática budista “mindfulness”, com ele você foca a atenção plena e completa no momento presente, sem julgamentos.

Portanto, o mindful eating é um conceito de nutrição que foca na concentração mental e espiritual ao momento da degustação da comida, sem julgamentos ou culpa sobre o que estamos comendo, nos levando a criar um bom relacionamento com a comida.

Para começar, pergunte a si mesmo: “Estou com fome?”, ou será que você só está com vontade de comer? 

Faça isso para que você saiba reconhecer as diferenças entre a real necessidade de comer e um momento de tédio.

Uma dica para driblar a fome emocional é praticar hobbies e atividades que reduzam a ansiedade, atividades prazerosas além da comida.

Visitar a sua família, assistir a um jogo do seu esporte favorito, viajar, sair com seus filhos, rever seus amigos… tantas são as opções… Por isso busque algo que agrada a você.

Leia também: 7 mitos sobre o emagrecimento que você já ouviu.

Um bom exemplo que gosto de dar e que funciona para mim é a atividade física, que além de diminuir o estresse e a ansiedade ainda traz inúmeros benefícios ao corpo.

Você está com fome mesmo?

Todo mundo já foi “vítima” da fome emocional alguma vez na vida, e está tudo bem.

O que não podemos é deixar que as nossas emoções tomem conta do nosso corpo, incluindo a nossa vontade de comer.

Se você sofre as consequências de fome emocional recorrente, indico a consulta médica e psicológica para que as devidas providências sejam tomadas e você recupere o seu autocontrole e qualidade de vida.

Deixo abaixo um vídeo do meu canal do Youtube intitulado ‘Qual a diferença entre FOME e VONTADE DE COMER?’ para que você entenda melhor sobre o assunto.

Um abraço, 

Francis Vinicius.